50 anos de The Rolling Stones

Fez esta semana 50 anos; foi a 12 de Julho 1962, no famoso Marquee Club em Londres. Pela primeira vez Brian Jones, Mick Jagger, Keith Richards, Ian Stewart, Dick Taylor e Tony Chapman sobem ao palco enquanto “The Rolling Stones”.

Um dos maiores fenómenos da história da música, talvez a maior e melhor banda de sempre. Para mim, tem um lugar especial na minha formação musical. Aos 14 anos tive a oportunidade de os ver em Lisboa, motivado por um grupo de amigos mais velhos e que, como muitos, tinha na música um ponto de eternas conversas e discussões, opiniões e divergências. Na minha inocência (leia-se falta de cultura), lembro-me de comentar que tinha ouvido algures que a banda de abertura, os “Voodoo Lounge”, era fantástica.

Foi um concerto memorável e deixou-me o bichinho da música.

Doze anos passados, em Battersea (Londres) numa noite de verão durante o Mundial 2006, e felizmente já com uma cultura musical mais robusta, tive o prazer de passar horas na companhia do Miguel e do António a ouvir The Rolling Stones e a descobrir histórias que desconhecia sobre a banda. Um fenómeno aliás que sucede sempre que tenho o privilégio de me sentar com estes senhores. Em especial com o Miguel (desculpa António), roqueiro de alma e coração e que merece um programa de TV à la Jools Holland.

Foi uma das melhores noites que passei durante os meus anos de Londrino.

Uma banda que pauta assim a minha vida, merece uma celebração. Este “Mother´s Little Helper” sempre foi das que me mais me fascinou. Foi-me apresentada nessa noite, em Battersea.